Preços do suíno vivo disparam

0 6

Depois de caírem com força entre março e abril, os valores do suíno vivo iniciaram um movimento intenso de recuperação em todas as praças acompanhadas pelo Cepea (Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada), da Esalq/USP. Neste mês de julho, a alta nas cotações tem sido reforçada pela baixa oferta de animais em peso ideal para abate.

Do lado da demanda, pesquisadores do Cepea indicam que a reabertura parcial do comércio em importantes regiões consumidoras em junho seguiu favorecendo a procura pela carne suína ao longo de julho. Além disso, as exportações brasileiras da proteína continuam registrando bom desempenho, o que tem limitado ainda mais a disponibilidade doméstica. De acordo com dados da Secex, os embarques diários da carne apresentam média de 4,1 mil toneladas neste mês, 1% abaixo da registrada em junho/20, mas 57% acima das 2,6 mil toneladas de julho/19.

Diante disso, em algumas regiões, especialmente nas de Santa Catarina, os valores médios diários do suíno atingiram patamares recordes reais da série histórica do Cepea (iniciada em 2002) – as médias mensais foram deflacionadas pelo IGP-DI. Já em termos nominais, ou seja, sem considerar a inflação, o animal é negociado nas máximas da série do Cepea em praticamente todas as praças.

Assine a nossa newsletter

Na parcial de julho (de 30 de junho a 23 de julho), o Indicador CEPEA/ESALQ do suíno de Santa Catarina subiu expressivos 40%, atingindo R$ 5,93/kg nessa quinta-feira, 23, recorde real da série do Cepea. No Paraná, o Indicador do animal vivo registra alta mensal de 42%, fechando a R$ 6,05/kg nessa quinta-feira, 16 centavos abaixo do recorde real deste estado, registrado em outubro de 2014.

Em Minas Gerais, o Indicador do suíno apresenta alta de 32% na parcial de julho, fechando a R$ 6,99/kg nessa quinta, se aproximando da máxima deflacionada, de R$ 7,12/kg, verificada em novembro de 2014. Em São Paulo, o Indicador CEPEA/ESALQ do vivo fechou a R$ 6,41/kg, com avanço de 34% neste mês. A média do dia 23 está abaixo do recorde real, de R$ 7,34/kg, observado em novembro de 2014.

CUSTOS DE PRODUÇÃO TAMBÉM ESTÃO EM ALTA – Mesmo com as valorizações intensas do suíno, o custo de produção da atividade também está em alta. Os preços do farelo de soja e do milho, importantes insumos de alimentação, estão em patamares elevados, segundo mostram levantamentos da Equipe Grãos/Cepea. Além disso, a forte valorização do dólar também encareceu importantes insumos que são importados.

ASSESSORIA DE IMPRENSA

você pode gostar também

Deixe uma resposta

This website uses cookies to improve your experience. We'll assume you're ok with this, but you can opt-out if you wish. Accept Read More

%d blogueiros gostam disto: