Portal Blog do Lago
Informação de qualidade na Tríplice Fronteira

Contrabandistas e traficantes usam desvios para fugir de fiscalização da Operação Muralha

0

Contrabandistas e traficantes utilizam desvios ilegais para tentar fugir da fiscalização realizada por agentes na Operação Muralha, montada na região de Foz do Iguaçu, no oeste do Paraná.

O esquema criminoso, segundo a Receita Federal, conta com pessoas responsáveis por cobrar e controlar o acesso aos desvios.

A fiscalização montada na BR-277, em Santa Terezinha de Itaipu, também na região oeste, é realizada pelo Exército, Polícia Federal e Receita Federal. O objetivo da força-tarefa é impedir crimes, na principal rota de traficantes e contrabandistas, na fronteira do Brasil com o Paraguai.

As estradas rurais ao redor do ponto onde é realizada a operação se tornaram outra rota para o crime, conforme a polícia.

Com uma câmera escondida, um produtor da RPC negociou uma passagem de mercadorias pelo desvio, e flagrou a negociação pelo esquema criminoso.

Produtor: E quanto você me cobra cada volume?

Homem: É 50 pila cada volume.

Produtor: Passa por dentro da fazenda daí, ?

Homem: É. Eu levo até do outro lado ali só.

Produtor: Do outro lado do riozinho?

Homem: É. Você pega ali e vai embora.

O homem responsável pela cobrança irregular afirma que o movimento de veículos é frequente no local.

Homem: E o carreiro está bem batido, ? Deus o livre! Se tu entrar ali fica bobo de ver. Mas eu não falando. Os caras descarregavam 10 carros aqui. Passavam aí e iam embora.

A Receita Federal informou que monitora o desvio, mas admite que nem sempre consegue flagrar os crimes.

“Geralmente eles colocam olheiros vigiando os nossos movimentos de forma a permitir a fuga deles. Então, fica esse jogo de gato e rato”, disse Allan James de Faria, analista tributário da Receita.

A rota usada pelos suspeitos para fugir da fiscalização possui trechos de mata fechada e de difícil acesso. Na semana passada, agentes das forças de segurança apreenderam mercadorias em um matagal da região.

Conforme a polícia, os produtos foram abandonados quando as equipes de fiscalização chegaram.

Quando os contrabandistas e traficantes conseguem fugir, utilizam uma rota que fica a aproximadamente dois quilômetros da ação da Operação Muralha, ainda na BR-277. O acesso permite que os suspeitos acessem novamente a rodovia para seguir viagem.

A ação dos contrabandistas e traficantes pelo desvio chama a atenção de outros criminosos, conforme a polícia.

No dia 29 de junho, um policial civil trocou tiros com três homens. Um deles foi baleado, após tentar cometer assaltos em São Miguel do Iguaçu, em um dos pontos utilizados para escapar da operação.

Leia a matéria completa no G1 PR clicando aqui!